Meu Namoro Com Uma Garota de Programa – Parte 1

Oi galera, meu nome é Pedro e sou natural do Rio de Janeiro, mas moro na vizinha Niterói. Quero desabafar aqui com vocês a história do meu atual namoro. Tenho 27 anos e sou Formado em Educação Física. Sou instrutor de musculação e crossfit em 2 academias e ganho bem, mas tenho que trabalhar muito para manter meu padrão de vida. 

Namorei por três anos, dos 21 aos 24 com uma ex-aluna de Personal Trainer, mas acabou não dando certo, ela era muito ciumenta e nos desentendiamos muito. Ela não entendia e não gostava de eu ser personal trainer de mulheres mas eu não podia abrir mão porque precisava do dinheiro. A gota d’água foi quando comecei a ser personal trainer de uma SUPER GATA. 

Minha namorada na época sempre queria saber quem era minhas alunas e sempre implicava com as mais bonitas. Mas essa era além de bonita, ainda era muito provocante, cheio de fotos sensuais no instagram. Ela era modelo fotográfica e vivia da aparência. Minha namorada brigou feio porque eu não queria abrir mão daquela aluna. E eu não tinha más intenções, só queria garantir uma cliente grande que queria treinar quase todos os dias, o que significaria um aumento importante nos meus rendimentos.

Fiquei um bom tempo para baixo porque gostava muito dela, mas depois de um tempo a poeira abaixou e comecei a pensar em sair com outras meninas. Nesse meio tempo eu estava bem triste, focando muito na minha profissão para esquecer o término do namoro. 

Continuei firme e forte com a nova cliente. Seu nome era Jessica e ela morava em Niterói, mas segundo ela trabalhava nos fins-de-semana no Rio, com “promoção de eventos”. Sempre a tratei com muito respeito e profissionalismo apesar de seu corpo incrível: Morena, típica popozuda rata de academia: coxas grossas, bunda enorme, cintura fina e felizmente sem silicone (pode ser a maior delícia do mundo, silicone para mim é muito broxante).

Jessica tinha um jeito de metida que muitas mulheres como ela tem. Provavelmente para evitar encheção de saco infinita de machos. E comigo não foi diferente. Bem metida e de poucas palavras no início, mas depois foi se soltando, provavelmente pelo meu distanciamento e profissionalismo. Eu não era mais um que estava dando em cima dela. Depois de algumas semanas ela já estava fazendo mais perguntas e também soltando mais informações pessoais: ela tinha 23 anos e tinha recém-separado de um RICAÇO dono de uma churrascaria no Rio. 

Quando olhei o perfil do cara, esperava um gordão mulambento, mas o cara além de rico ainda era extremamente sarado, totalmente o oposto do que pensei. Mas segundo ela, ele era um babaca que a tratava como lixo. Apenas o primeiro ano do casamento foi bom e depois o encanto acabou. 

Depois de algumas semanas conversando mais e mais, senti que ela estava dando em cima de mim. Não sou muito bonito e nem muito sarado. Apenas um cara normal de 1,80, até forte, mas nada demais, moreno, olhos castanhos, tatuagem, barba, cabelo da moda,nada de parar o trânsito. Fiquei surpreso de uma gostosa daquela me dar bola. Provavelmente por eu tê-la tratado com tanto respeito desde o início, sem dar em cima, ao contrário de 99% dos homens. 

Nos dias seguintes eu criei coragem e perguntei se ela não gostaria de sair para jantar comigo. Ela topou na hora: “Pensei que não fosse perguntar nunca”, ela disse. Contive minha felicidade para nao dar pulos de alegria por um mulherão daquele estar aceitando sair comigo.

Esperei ansiosamente pelo dia marcado e quando fui buscá-la meu queixo caiu. Ela estava com um vestido branco colado que marcava seu corpo incrível. Chegando no restaurante não tinha um que não olhava. Até os homens casados viravam para reparar. Me senti o máximo saindo com uma mulher daquela, mal sabia como me comportar. Estava visivelmente nervoso e ela notou:

“ Relaxa, eu nao mordo”. Aquilo quebrou o gelo um pouco e o jantar foi bem gostoso. Ao levá-la de volta para casa criei coragem para beijá-la e ela adorou: “Adoro o seu toque, você é muito cavalheiro”. 

Pouco antes de sair do carro combinamos de sair de novo, o que me deu esperanças de que aquilo poderia virar um namoro. “Mas eu tenho que ser sincera com você, tenho que te contar uma coisa”. “O que??” Imaginei que ela fosse dizer que era casada ou que tinha filhos. “Eu sou acompanhante de luxo”. Acho que fiquei sem reação e ela continuou: “Desculpa nao ter te contado antes, eu não conto para muitas pessoas”. Eu estava atônito, aquela revelação caiu como uma bomba. Como eu ia namorar uma garota de programa??

Antes de eu falar qualquer coisa ela ainda completou: “Se você não quiser mais sair comigo eu vou entender”. “Não é isso, é que você me pegou de surpresa. Posso pensar no assunto e entro em contato de novo??”. Ela concordou e também concordamos em continuar as sessões de personal trainer (agora eu entendia como ela tinha tanto dinheiro). 

Eu estava num mato sem cachorro. Estava louco por aquela mulher mas como é que eu ia namorar uma garota de programa? Imagina a cena: “Como foi seu dia amor??” “Ah, eu dei para oito, mas teve dois que me comeram com força demais, tô toda esfolada”. Nao sei se eu tinha estômago para aguentar aquilo.

Passei uma semana pensando no assunto. Eu estava determinado a não prosseguir com aquela história, mas encontrá-la todo o dia, com o seu jeitinho de menina num corpo sensacional me fazia engolir seco. As vezes eu tinha que apoiar minha mão em seu corpo para ajudar em algum exercicio ou alongamento e ficava de pau duro só de pensar em ir para cama com uma cavala daquelas.

Mas o que eu ia dizer pros meus amigos? Mesmo se eu não contasse para ninguém, imagina se algum amigo ou conhecido de algum amigo já tivesse comido minha namorada? Ou estivesse comendo? Eu sei que é muita coisa para se pensar depois de apenas um encontro, mas era melhor pensar em tudo agora para não sofrer depois. 

Chegou a Sexta-Feira e depois do treino não resisti e finalmente falei com ela: “Quer sair comigo de novo nesse fim-de-semana?”, “Trabalho o findi todo (não teve como não pensar nela “trabalhando” duro), pode ser Segunda?”

Concordei e resolvi que no segundo encontro eu iria tentar descobrir mais coisas sobre a vida dela e conhecê-la melhor. Quantas horas ela trabalha? Desde quando ela faz isso? Quem sabe? Quem nao sabe? Ela já fazia isso quando era casada? Quais eram os planos dela pro futuro? Continuar fazendo programa ou mudar de vida? Tudo isso me ajudaria a botar a cabeça no lugar e decidir o que fazer…

Continua….

Este post tem um comentário

  1. Ótima história.. Suas histórias e de seus seguidores são incríveis e excitantes… Continue postando mais histórias.. Adoro ler todas

Deixe uma resposta

Fechar Menu
×
×

Carrinho