Daniela Não Resistiu e Chifrou Pela Primeira Vez

Olá Juju!! Queria contar minha história. Acompanho seu blog e seu site desde o início e nunca tinha traído. Sempre fui fiel, apesar de meu marido ser normalzinho na cama. Sempre que você comenta nas fotos que os cornos têm um pau de 11cm, eu lembro dele. E como ele foi meu primeiro e único homem sempre, a curiosidade que eu sempre reprimi só foi crescendo ao ver seus posts. Aqui vai minha história. Vou dividir em duas partes para não ficar grande demais. É tudo real, aconteceu mesmo, mês passado.

———————-

Aos 31 anos, sinto que estou no auge da beleza. Sempre gostei de malhar, mas há 3 anos comecei a fazer crossfit e nunca estive tão sarada. Sou casada Eu amo meu marido. Nossa vida sexual é boa, mas eu sempre tive curiosidade de sentir outro homem.  

Sempre chamei a atenção dos homens, mas estando tão sarada sinto que sou comida com os olhos em qualquer lugar que eu vá. Ainda não tenho filhos e a carreira do meu marido não esteve tão bem. Ele ocupa um alto cargo numa empresa enorme e por isso não preciso trabalhar.

Sou formada em marketing e como não gosto de ficar à toa eu trabalho meio período na agência de meu irmão. No tempo que sobra, uso os contatos do meu marido para fazer trabalho voluntário e em obras de caridade.

Moramos num grande capital e, infelizmente, tem muita gente pobre que precisa de ajuda, principalmente crianças. Em alguns anos nessa área, aprendi que uma das melhores maneiras de ajudar é participando de projetos que agreguem esportes e educação e passei a participar de projetos nesta área. As crianças vêm, recebem duas refeições, educação, aulas de futebol e voltam pra casa apenas à noite. E além disso reformamos quadras, campos e fornecemos material esportivo.

15401042_10101614082763721_3223753942261162810_n

Como eu adoro futebol, a tarefa é ainda mais interessante. Um dos projetos era de um jogador de futebol aposentado. Como ele é famoso aqui na cidade, e com os contatos do meu marido, conseguimos apoio de várias empresas. Trabalhamos algumas semanas junto sem maiores problemas até que um dia ele me telefonou e falou que a Ambev estava interessada em patrocinar nosso projeto. Mas teríamos que viajar pra São Paulo para fechar o patrocínio.

Conversei com meu marido e ele falou como essas reuniões são importantes. Teríamos que estar preparados para apresentar detalhadamente todos o pontos do projeto. Com o patrocínio deles poderíamos fazer uma grande diferença na cidade. Ele também disse que apesar de eu ser capaz de fazer uma apresentação que impressionasse, o R. (vou chamar o jogador assim) teria que liderar a reunião, por causa de seu nome.

O problema é que o R. tem uma reputação de pegador e de tomar umas. A fama dele é grande na cidade, sempre com uma mulher diferente, cada uma mais linda que a outra. Eu não queria pensar nisso e meu marido não comentou nada. Ele não é do tipo ciumento e eu nunca dei motivos para ele se preocupar.

Nessas primeiras semanas de contato ele não deu em cima de mim provavelmente porque pensou nas repercussões de dar em cima da mulher de uma figura importante do meio empresarial. Então era só eu ficar na minha e agir sempre profissionalmente e daria tudo certo. Marcamos a viagem para uma Terça à tarde e a reunião seria na Quarta às 8 da manhã.

Na hora de embarcarmos uma chuva terrível fechou o aeroporto e decolamos atrasados. Na hora do pouso, Congonhas estava fechado, e tivemos que desembarcar em Campinas já de madrugada. Estávamos exaustos e o R. ligou pro contato para remarcar a reunião para algumas horas mais tarde. Iríamos para São Paulo cedinho depois de passar a noite em Campinas. Na hora de pegar a bagagem, CLARO que elas tinham sido extraviadas. Era o nosso dia de sorte.

O Hotel tinha tudo o que precisávamos mas só tínhamos a roupa do corpo. Estávamos bem vestidos e eu sugeri que essas roupas seriam o suficiente para reunião, mas elas teriam que ser lavadas e passadas. O hotel ofereceria o serviço pra ser feito durante a noite, então… Sem problemas!! Mas precisávamos de roupas para dormir.

A recepcionista disse que não tinha nada aberto mas que como ela dormia no hotel ela tinha pijamas extras que podiam servir em mim. Ela era menor que eu mas não tínhamos outra solução. O R. disse que ia ficar com o roupão do banheiro mesmo.

Para continuar a falta de sorte, só havia um quarto disponível no hotel e ÓBVIO que só tinha uma cama. Quando eu voltei pro quarto fui para o banheiro me trocar e rezei pro pijama servir. E acabou servindo, mas bem apertado. Deixava minha bunda enorme e minha calcinha bem marcados. O R. quando me viu deu um sorriso safado e eu dei língua pra ele, dizendo:

– Ih, sai pra lá que meu marido é bravo…

Mas no fundo eu estava bem animadinha por estar ali naquela situação, com um pijaminha provocador num quarto com um ex-jogador de futebol quarentão mas super sarado e safado.

Logo o serviço de quarto chegou pra pegar nossas roupas e dei uma bela gorjeta para assegurar que as tivéssemos de volta dali a algumas horas. Eu ainda estava de maquiagem e apesar de cansada eu estava linda com aquele pijaminha. Quando fechei a porta e me virei o R. estava me encarando.

– Que foi? Viu fantasma? – Perguntei

– Nossa, você é a coisa mais linda que já vi…. – disse com olhar vidrado em mim

Sabendo da reputação dele eu não contive um sorriso. “- Obrigada! Olha.. Vou tirar a maquiagem e vamos dormir que amanhã é cedo. – Falei mudando de assunto.

Quando voltei ele já estava deitado dormindo  e eu fiquei passada quando vi que seu roupão tinha se mexido deixando os quadris dele a mostra, expondo seu pau mole. Era imenso.

Assustada eu o acordei e falei:

– R. se cobre aí que você tá quase pelado.

– Perdão, eu nunca durmo de cueca, esqueci de falar.

– Aham, sei.

Deitei do meu lado e tentei dormir mas não consegui parar de pensar no que eu tinha visto. Era grande demais! E ainda estava mole!. Eu dormi e sonhei que estava com ele na minha mão, batendo uma pro R.

E quando acordei, percebi…. não era só sonho!!!! Eu estava tão perturbada que, meio sonâmbula, alcancei o pinto dele durante a noite e estava acariciando. E estava duro, ainda maior do que eu tinha visto antes. Minha buceta estava pegando foto e eu estava cheia de culpa por ser casada mas não conseguia resistir àquele impulso.

Eu queria mais…

 

Este post tem um comentário

Deixe uma resposta

Fechar Menu
×
×

Carrinho