Chifres Atuais 2 – A Festa Junina

36606382_10158363667704572_3127272654378106880_n

Sábado foi o dia da Festa Junina da minha escola de dança. A escola onde danço 1 vez por semana tem quase mil alunos. Eh uma das maiores da cidade. Em breve vou escrever mais sobre a importância da dança pra cornos, comedores ou mesmo para quem quer melhorar a vida e ser mais feliz de forma super barata e saudável.

Comecei a dançar há 4 anos atrás, convencida pela Su, que tinha começado 1 ano antes. Foi uma das melhores decisões da minha vida. Conheci tantos homens que vieram a ser meus comedores que chegou um tempo que parei um pouco porque não conseguia lidar com tantas opções. Homens que dançam são muito mais atraentes, confiantes e sabem pegar uma mulher de uma forma diferente. Nao eh a toa que homem que dança está sempre rodeado de mulheres. E comigo não foi diferente. Mas quando comecei já recebi logo a atenção de diversos machos, os melhores dançarinos da escola, assistentes, professores, etc. Já havia muitas meninas bonitas lá, mas sabe como né, carne nova no pedaço.

Logo que comecei já tive a brilhante ideia de levar meu noivo junto. Eu já tinha aprontado muitas com ele, já tinha um histórico de zoações épicas, sem ele nunca
saber que estava sendo corno. Mas vi a dança como uma oportunidade de zua-lo ainda mais. Eu sabia que seria terrível pra ele porque ele é péssimo em esportes e não
tem ritmo nenhum, ao contrário de mim, que havia feito balé na infância e ginástica olímpica na adolescência. Ia adorar vê-lo dançar tão mal, enquanto homens
mais altos, bonitos e que dançam melhor que ele davam em cima de mim.

Enfim, vou contar a história toda no futuro, não quero estragar esse lado tão rico e excitante da minha vida pessoal e de chifradeira, então vou pular pra 2018, na festa junina da academia. Apesar de não ser frequentadora tão assídua como quando comecei, ainda vou nos eventos principais da escola pra manter minha coordenação em dia, rever velhos comedores e, quem sabe, conhecer novos.

Antes de chegar, ainda no carro, já falei pro meu corno: “já sabe como eh nê… se der confiança pra alguma vadia, não encosto no teu pintinho por muito muito tempo, te comporta”. Já tinha brigado feio com ele e aplicado castigos anteriormente por ter dançado mais de uma música com a mesma menina ou por ter conversado com alguma outra. Corno beta frouxo não tem direitos. Tem que me idolatrar e eu tenho que ser o centro das suas atenções. Sempre funciona. Ele sabe que sou muita areia pro caminhão dele, mas eu também não sou tonta. Ele é bonito e rico a atrairia atenção de outras mulheres que gostariam de ter um corno-banco-capacho ainda que ruim de cama.

Chegando lá, maravilha!! A festa estava LOTADA como eu esperava e seria fácil me “perder” do meu frouxo e dançar bem agarradinha com algum gostoso. Logo avistei uma meia dúzia que já tinham me comido ou recebido um boquete da pequena loirinha aqui, alguns ainda apaixonados (sim, muitos apaixonam, me pedem em namoro, etc), alguns soh safados mesmo dando aquela piscadinha safada e provavelmente comentando com algum amigo: “tá vendo a loirinha gostosa ali, já peguei”. Sei bem como homem funciona. Nao basta usar, tem que tirar onda com os amigos né.

Mas fui pra sala de forró, estava com saudade de dançar um forrozinho e minhas pernas tremeram quando vi o Victor, um dos comedores que mais me impressionaram. Aquele eh homem com H maiúsculo. Loiro, alto, forte, barbudo tipo lenhador e tem uma pegada incrível. Poucos homens me foderam com tanta força e por tanto tempo como ele. Considero-me difícil de satisfazer, estou sempre pedindo mais, mas com ele eu pedi água. Ele acabava comigo. Me fodia por horas e sempre achava uma posição nova, um jeito novo de me pegar ou de me botar pra chupar aquele pinto grande dele. Enfim… Uma delicia. Já não o via há uns 2 anos porque ele arranjou uma namorada e não sou muito de chifrar meninas, já tem homem filho da puta demais nesse mundo para fazê-las sofrer e não vou contribuir com isso. Mas minha bucetinha jamais esqueceu aquele loiro lenhador que destruía a loirinha.

Dançamos um forrozinho delicioso como nos velhos tempo e só de estar nos braços dele já molhei. “Cadê a namorada?” Terminamos… Nao deu certo. Ela não acompanhava. kkkk O safado sabia como me provocar. “E o corno?” Tá aqui. Quer conhecê-lo? “Claro, por que não?” Apresentei os dois e eles conversaram animadamente enquanto eu dançava com outro macho safado que já havia minha comido. Situação deliciosa. Dançando com um comedor, enquanto outro comedor conversava com meu capacho e o tonto sem ter a mínima ideia e pisando em ovos pra eu não brigar por ele dar atenção a outra vadia.

Acabando a dança, o Vitor veio dançar comigo de novo e se afastou um pouco do meu frouxo: “Como te tiro daqui por uma hora? Moro aqui ao lado, podemos relembrar os velhos tempos”. “Como assim seu louco? O Bruno tá aqui” Claro que eu estava pouco me lixando, e estava molhada só de pensar em deixar meu corno ali e sair com meu macho pra entregar minha buceta pra ele, mas eu tinha que me fazer de difícil. “Faz assim, vou falar com uma das meninas pra dar atenção pra ele porque ele eh iniciante. Ela eh minha amiga. Dentro de uma hora estamos de volta e você inventa algo pra ele, que perdeu-se porque o baile estava muito cheio, sei lá”. “Ta, te vejo lá” “Ah, entra pela garagem, da menos na cara se alguém ver”.

Obviamente eu estava ensopada de tesão, não só por dar para meu lenhador de novo, mas pelo perigo de alguém ver e meu noivo estar tão perto da ação. Chegando lá, ele me esperava na entrada da garagem. Abriu pra mim e já me lascou um beijo ali mesmo, no escurinho e no frio da garagem, entre os carros. Que saudade!! Por mais que eu tenha machos satisfazendo minhas necessidades de fêmea o tempo todo, cada homem é diferente, por isso sou de muitos. Nao consigo ser de só um. Cada um é especial e a combinação de todos eles me satisfaz.

Mas naquela hora eu era só dele e ele já levantou minha saia junina pra apertar minha bunda com aquelas mãos fortes e o fogo de quem não me via há muito tempo. Ele não tinha mudado nada. Super forte e mandão. Que pegada!! Logo subimos pelo elevador para, se não me engano, o nono andar de seu apartamento. Um homem daquele morando sozinho, que perigo!! Imagina quantas ele traz pra cá. Ele é delicioso demais pra ser de só uma. Apartamento bem arrumado. Nao muito grande, mas bem limpo e organizado para um homem morando sozinho.

Antes mesmo de perceber aquele homem enorme já tinha me jogado no sofá e eu estava de saia levantada e ele beijando, mordendo e roçando sua barba em minhas pernas e bunda. Meu Deus que tesão. Eu queria ele dentro de mim rápido, mas ele logo sacou sua ferramenta e me botou pra mamar como uma bezerrinha naquele pau que já estava babando de tesão. Ali estava eu de novo cumprindo meu dever de fêmea, satisfazendo a um macho alfa, sentadinha no sofá, com a bunda exposta e o cabelo já desarrumado. Como todo bom alfa ele agarrava minha cabeça e, apesar de não me bater com o pau na cara como a maioria faz, usava minha garganta e meu talento pra receber um pau bem fundo goela abaixo pra foder minha boca com forca. As vezes ele socava rápido e forte mas as vezes segurava minha cabeça com o pau afundado na minha boca. Eu sentia as bolas contra meu queixo e começava a engasgar, mas como ele me mandou botar as mãos pra trás, estava sob seu controle, totalmente dominada pelo meu lenhador.

Infelizmente não tínhamos muito tempo e se ele quisesse me foder por um tempo satisfatório tenhamos que abandonar aquele boquete delicioso. Ele me pegou como uma bonequinha e me botou em seu OMBRO!! kkk Como um bom lenhador, eu era apenas um objeto sendo carregado para ele terminar seu trabalho em sua cama, surpreendentemente confortável e aconchegante. Ele me jogou na cama e rasgou minha calcinha (o que significa que eu teria que voltar sem calcinha para a festa). Felizmente ele não socou com toda a violência e afobação que ele estava me tratando, porque apesar de estar muito molhada eh sempre bom entrar devagarzinho pra começar. Ele tomou o cuidado de cuspir na cabeça de seu pau e forçar a primeira estocada devagar. Estávamos num simples papai-e-mamãe e vi estrelas de tesão quando seu cacete tocou no meu útero. Mais um chifre estava sendo plantado na cabeça do meu corno. Mais um pau estava penetrando minha bucetinha tão sedenta. Mais um macho alfa estava me usando. Mais uma vez eu estava cumprindo meu dever de fêmea ao satisfazer meu lenhador.

Como ele já me conhecia de outras tantas metidas gostosas, ele sabia exatamente como me fazer gozar naquela posição. Ele me levantou de modo a ficar com o tronco apoiado contra a parte de trás das minhas pernas e deixando meu quadril mais alto e a bucetinha mais aberta. Naquela posição o pau entra mais fundo e esfregando com mais força na parte de cima da minha vagina. Se o pau for de boa grossura como o dele, gozei em segundos. E foi o que ele fez. Como ele sabia que eu gozava fácil naquela posição, ele meteu bem devagarinho, o que me fez fazer aquela carinha de pidona. Foi só ele acelerar um pouquinho que comecei a gritar de prazer enquanto meu corpo desfalecia após um gozo intenso.

Depois que eu gozo, viro uma bonequinha de pano. Perco o tônus muscular e meu macho pode fazer o que quiser comigo. Quando as sensações do gozo pararam completamente, ele virou a bonequinha de bunda pra cima botou um travesseiro por baixo e se ajoelhou sobre minhas pernas ficando com minha bunda exposta bem em frente as suas poderosas mãos. Eu eu estava sem forças mas sabia o que vinha: Logo o primeiro tapa na bunda, que me fez acordar de tesão. E o segundo na outra nádega, o terceiro, alternando de novo. Como eu amo apanhar. Minha buceta acordou de novo e eu botei as mãos pra trás pra abrir minha bucetinha, pedindo seu pau grosso.

“Já quer mais, eh??” “Aham, me fode gostoso??” Nao sei se eh porque tenho uma voz de menina, mas quando falo essas coisas os homens ficam loucos. Ao ouvir aquelas palavras ele já socou, desta vez sem muito cuidado. Minha buceta já estava alargada e bem molhada, recebendo aquele pinto com facilidade. Ele socou com força por alguns minutos, apoiando as mãos contra minha cintura pra deixar meu corpinho estável para ser usado por ele. Logo ele começou a ofegar e tirou o pau e a camisinha pra gozar na minha bunda. Os primeiros jatos foram tão fortes que foram parar no alto das minhas costas, mas minha bunda e cuzinho também receberam aquele leite.

Ele caiu ao meu lado: “50 minutos, será que ele esta te procurando?” “Deve estar, não te preocupa que enrolo ele fácil”. “Coitado, até hoje ele nunca desconfiou?” “As vezes ele tem umas paranóias, mas eu brigo e ele esquece”.

Voltando pra festa eu falei que estava na sala de Sertanejo por 30 minutos e depois fui à farmácia comprar remédio pra dor de cabeça, que ia chegar minha menstruação e sempre tenho enxaqueca. Dancei um forrozinho com ele pra ele não sentir muito ciúme e não parava de pensar como foi gostoso estar com meu macho alguns minutos atrás. Sem calcinha, usada, cheirando a macho, estava de volta aos braços do meu corninho beta.

 

Este post tem um comentário

  1. Tb sou macho beta a procura!!! Me divulga Diva??? 🙏🏻

Deixe uma resposta

Fechar Menu
×
×

Carrinho