Minha Segunda Experiência como Corno

Olá, esse é o segundo relato do Luís, o primeiro foi o :  https://achifradeira.com/minha-gatinha-geisiane-virou-uma-chifradeira/. Este é corno de vocação!

Parte 1: Depois de ter terminado meu primeiro namoro que durou quase 3 anos, fiquei triste durante alguns meses e até cheguei a arranjar uma nova namorada, mas ela era muito boazinha e melosa, não faz o estilo de mulher que eu gosto e durou só 3 meses. Mulher pra mim tem que ser dominadora e chifradeira. Depois disso continuei com meus estudos e trabalho, até conhecer pelo Facebook uma menina Chamada Paula. Ela era de uma cidade do interior de PE, estava terminando o ensino médio. Depois de uns 2 meses de papo, decidimos nos encontrar na praça da cidade dela. Foi tão mágico quanto o meu primeiro namoro. Como ela era uma menina muito caseira, criada presa e regrada, tive que falar com a mãe e o padrasto dela pra gente começar a namorar. Depois de uma tarde de conversa eles liberaram, mas como ela morava em outra cidade eu só poderia vê-la nos fins de semana. O padrasto dela me disse de antemão que eu não poderia dormir na casa dela, pensando ele e a mãe dela que a menina era virgem. Ela já havia namorado outro boy com quem perdeu o selinho.

Lembro que a primeira vez que transamos foi uma loucura: Os pais dela costumavam ir dormir no quarto depois do almoço e a gente ficava no sofá da sala. Nesse dia ela estava de vestidinho e sem calcinha por baixo. No sofá mesmo eu abri o zíper da calça, botei o pau pra fora e ela levantou o vestido e encaixou por cima. Acho que não passamos nem 1 minuto metendo com medo de ser pego, então paramos. Outro final de semana estávamos na casa dela, na cozinha lanchando, o padrasto tinha saído e a mãe dela tinha ido na casa da vizinha: tínhamos que aproveitar qualquer oportunidade. Então eu a peguei e deitei no chão da cozinha, arranquei seu short até perto do calcanhar, ela deitada de costas, com a barriga no chão e eu fui por cima e enfiei de uma vez. Ela estava molhada, acho que já esperando isso de mim, então eu metia naquela buceta tapando a boca pra ela não gemer e com a outra puxando o cabelo pra trás. Foi muito bom! Gozei nas pernas dela que foi logo pro banheiro limpar. Quando a mãe voltou parecia que nada tinha acontecido e a gente estava lá tomando Sorvete.

Parte 2: O tempo foi passando, a gente se gostando cada vez mais, só que eu percebi que Paula tinha um lado provocador e safado (assim como a maioria das retraídas tem), então eu decidi contar a ela o que tinha acontecido no meu primeiro namoro. No começo ela achou estranho, excêntrico e eu até entendo: Somos ensinados desde pequeno que existe um manual de como se deve namorar de maneira correta. Ela estava com seus 18 anos e eu já tinha 21. Ela era ciumenta, então eu expliquei que seria fiel e só ficaria com ela, mas ela podia ficar com quem quisesse desde que me contasse todos os detalhes, não escondesse nada. Depois de uns dias pensando, ela topou. Acho que foi mais pra fazer charme, porque logo após ela disse que tinha um menino na escola dela que era soldado e que quando teve um desfile da banda lá, ele ficou dando em cima dela. Ela me falou ‘’ele vai ser o primeiro que eu vou ficar então. Adoro homem de farda’’.
Então ela começou a puxar papo com ele na escola. Um dia ela largou um pouco mais tarde, já era quase noite e ele tinha uma moto, disse que daria uma carona a ela. Quando chegaram duas ruas antes da casa dela, eles pararam: era uma rua de terra, mal iluminada, com árvores e etc… Então começaram a se beijar. Ela me contou que ele beijou o pescoço dela, mordeu a orelha e depois aproveitou que ela estava com uma blusa tomara que caia e botou um dos peitos dela pra fora e começou a chupar. Depois de uns amassos ela foi pra casa e me contou tudo pelo facebook. Dias depois ela me disse que estava pensando em ir pro motel transar com ele, perguntou se eu deixava e eu disse que sim. Marcaram o dia de ir, então ela mostrou a mim a calcinha que iria, de rendinha branca, tinha comprado especialmente pra usar com ele. Então ela foi de moto pro motel, passaram 3 horas lá.

A essa altura ele já sabia que ela namorava, mas também sabia que eu deixava. Segundo ela me contou depois, ele não tinha um pau grande, mas era gostoso. Chupou minha namorada bem muito, depois botou a camisinha e transaram.
Depois de algum tempo ainda ficando com ele, mas só de beijos, eles decidiram terminar o lance, então eu perguntei se ela estava arrependida de ter botado chifre em mim, ela disse que não e que já estava de olho em outro. ‘’Amor, tem um menino muito lindo branquinho, alto, nerd, que é afim de mim e já faz tempo que ele vem me cantando. Acho que vou ficar com ele também’’. Mal sabia eu que com esse rapaz o negócio ia ser muito maior. O nome dele era Tiago, tinha 19 anos, era caseiro e só tinha tido uma namorada na vida. Eles começaram a flertar, até que um dia marcaram de ir ao shopping e lá eles ficaram. Ela dizia que se sentia à vontade com ele, então eu também fiquei confortável. Uma das amigas dela disse ‘’Paula, como tu fica com aquele menino namorando com Luiz? E se ele souber?’’ ela disse: ‘’Ele sabe e deixa. Eu consigo dar conta de dois paus’’, a amiga riu e falou ‘’então bota gaia mesmo nesse corno manso.’’

Parte 3: Um dia surgiu o convite pra Paula ir na casa dele, pois os pais do menino trabalhavam direto e ele geralmente ficava em casa só, jogando. Ela deixou a mensagem no face: ‘’amor, hoje vou pra casa do Tiago transar com ele, quando chegar te conto tudo. Beijos’’ E eu fui trabalhar naquela expectativa, mal conseguia me concentrar em nada, morrendo de tesão por dentro. Quando chego em casa, ela está online e diz que foi uma das melhores transas que ela teve. Contou que ele a levou até o quarto, ligou a tv e deitaram na cama como se fossem namorados. Depois tirou a roupa dela, começou a beijá-la dos pés até chegar na buceta onde ele enfiou a língua lá dentro e ficou chupando, então ele deitou e ela começou a chupar aquele pauzão grande e grosso, bem maior que o meu, como ela relatou, depois ele pôs a camisinha e ela subiu em cima e começou a cavalgar até que logo ele gozou. Ela me disse que já queria ir outra vez lá.
Alguns dias depois, quando chegou o final de semana e eu fui a casa dela, o padrasto dela tinha uma fábrica ao lado da casa dela e tinha saído. Aproveitamos e fomos pra lá, dar uma rapidinha: Botei ela de quatro e enfiei meu pau nela, puxando os cabelos. Ela gemia um pouco, mas depois que estava mais excitada disse ‘’Vai Corno, mete na tua puta…Esse teu pauzinho é só o aperitivo pro prato principal amanhã’’. Quase que eu gozo dentro dela ouvindo isso, felizmente tirei e gozei nas suas costas. Assim que eu gozei a mãe dela entrou na fábrica e só não nos pegou no flagra porque ouvimos ela entrando eu muito rapidamente me recompus. Mais tarde eu fui embora, umas 7 da noite naquele sábado e ela me disse ‘’amanhã vou pra casa do Tiago dar pra ele tbm’’. No outro dia ela foi pra casa dele e transaram novamente. Como eles moravam perto, era mais fácil do que eu que morava em Recife.

Eu adorava ouvir ela contando sobre as transas enquanto a gente fodia, mas eu queria ver também, então pedi a ela pra filmar da próxima vez que transassem. Ela disse que iria perguntar se ele topava, então perguntou e ele deixou. Quando ela me mandou o vídeo (que tinha 43 minutos), meu coração batia muito forte, estava trêmulo: Nunca tinha visto uma namorada minha transando com outro, só escutava os relatos delas. Eu a vi ajeitando a câmera, enquanto ele deitado botava a camisinha naquele pauzão enorme, depois ela subia em cima dele e com dificuldade encaixava aquele mastro dentro da buceta dela. A cena era Linda e meu tesão ficava a mil. Ela cavalgava nele, depois ela deitou e ele foi por cima fodendo-a com as pernas abertas, totalmente entregue a ele. Era surreal imaginar aquela bucetinha que deveria ser só minha, sendo invadida por outro macho, como se ele fosse o dono dela. Eu batia uma assistindo o vídeo e acabei gozando, mas o meu tesão não foi embora e meu pau continuava duro. Eles meteram muito, até ele gozar na camisinha, então ficaram deitados conversando e se beijando: era uma cena linda! Até hoje ainda tenho esse vídeo guardado.

Parte 4: A maioria das minhas amigas já sabiam e sabem que eu sou Corno Manso, então só me chamam assim pelo Facebook, pelo Whatsapp, salvam meu nome nos contatos assim, fazem post me humilhando e me marcando pra todos verem que eu sou um Corno submisso. Cada vez que faziam isso eu adorava. Paula também me chamava assim. Estávamos passeando e sempre que passava um boy que ela achava bonito, ela me dizia ‘’esse daí eu pegaria’’. Não lembro como, mas acabei adicionando o Tiago e puxando assunto com ele. Logo de Início, ele ficou com medo pensando que eu iria arrumar confusão por ele transar com minha namorada, mas eu expliquei tudo pra ele que sabia e deixava, então ele ficou tranquilo. Ele até me agradeceu dizendo ‘’obrigado por você deixar eu transar com ela. Gosto muito dela e trato ela super bem, sei que vocês se amam.’’ Ele sempre me avisava do tipo ‘’Corno, hoje vou comer ela de tarde, quando ela largar da escola’’ e eu adorava essa cumplicidade.
Um dia ele disse pra mim que queria transar sem camisinha, falei com ela e ela disse que também estava afim e se eu concordava. Eu deixei e brinquei dizendo que se engravidasse, o Corno assumia o filho. Ela disse que foi muito mais gostoso sentir a pele daquele cacete entrando e saindo dentro dela. No outro dia que ela veio pra minha casa, fomos transar e eu vi que a buceta dela estava bem arrombada e vermelha. Eu falei ‘’o Thiago te arrombou amor’’, ela fez ‘’Sim, aquilo é um comedor de verdade’’. Depois ela me disse: ‘’da próxima vez que eu for pra lá, eu vou dar o meu cuzinho pra ele arrombar’’, eu disse que tudo bem. Eu era o namorado e nunca tinha comido aquele cu, Tiago iria ser o primeiro. E assim foi: ele meteu fundo naquele rabo lindo e deixou ela bem larguinha, sem poder sentar direito.

O Ápice da nossa putaria foi quando marcamos para eu ver pessoalmente ele comendo-a. Chegamos lá umas 14:00 e saímos de 18:00. Seus pais não estavam em casa, só a empregada que já sabia que Paula namorava e que eu era o corno. Fomos pro quarto dele, que tem uma cama de casal, então começaram a se beijar na minha frente, tirar a roupa e eu fiquei sentado numa cadeira perto, olhando com o pau durinho. Ela começou a chupar o pau dele, botando na boca aquilo tudo, eu pensei: ‘’a boquinha que eu beijo direto, chupando o cacete desse macho comedor’’. Depois ele deitou ela e chupou durante algum tempo, depois virou ela de costas subiu em cima e penetrou. Começou a entrar e sair da buceta da minha namorada e eu a essas alturas já estava batendo punheta. Eles metendo sem camisinha, foi a cena mais linda que eu já tinha visto, meu coração parecia que ia saltar pela boca. Ela gemendo, dizendo ‘’ta vendo corno? Aprende.’’ Tiago comeu ela em várias posições e depois passou um gel no cuzinho dela e forçou a entrada, depois de algum tempo conseguiu penetrar. Logo no começo foi devagar, mas depois que ela se acostumou com aquilo tudo dentro do cu, ele socou rápido, deixando-a toda larga e acabou gozando dentro do cuzinho dela. Eu gozei quase na mesma hora vendo a cena. Depois limpamos tudo e fomos embora.

Parte 5: O Tempo foi passando, já tínhamos 1 ano e 2 meses de namoro e era cada vez mais complicado pra mim continuar a namorar alguém de outra cidade. Arrumei novo emprego e entrei pra faculdade, então meu tempo de vê-la seria bem menor, somado ao fato de que ela revelou não ter planos nenhum de morar em Recife. A Cortina final do nosso namoro foi quando fomos passar o ano novo na praia de Boa Viagem e ela disse que sua mãe e padrasto estavam planejando ir morar em SP de vez. Apesar de amar muito Paula, eu não podia manter um namoro a distância, então conversamos algum tempo e decidimos terminar. Claro que fiquei triste, chorei, mas não foi tão sofrido quanto o meu primeiro namoro. Parece que você consegue desenvolver anticorpos quando passa de novo por uma situação similar. O Tiago continuou tocando a vida dele normalmente, eu tive outras ficantes depois dela, mas nada que me fizesse querer outro relacionamento até o presente momento, consegui me formar e ela foi embora pra Sampa. Depois do término nosso namoro, preferimos perder contato um com o outro pra não ficar alimentando sentimentos tristes e pensamentos melancólicos. A última vez que falei com ela desejei que fosse feliz com quem quer que fosse seu próximo namorado ou um eventual marido e aonde quer que ela estivesse lembrasse dos nossos bons momentos…

Deixe uma resposta

Fechar Menu
×
×

Carrinho